Sobre

REVIVE NATUREZA

O Fundo Revive Natureza visa a recuperação e valorização de imóveis públicos, devolutos há décadas, na sua maioria localizados em espaços com valores patrimoniais naturais, que dispõem de um elevado potencial de atração turística, tendo em conta as suas funções de origem, histórias e especificidades geográficas.

Ver Vídeo

O Fundo

O Fundo Revive Natureza, criado através do Decreto-Lei n.º 161/2019, de 25 de outubro, visa a requalificação e valorização de imóveis públicos devolutos, com o objetivo de compatibilizar a conservação, recuperação e salvaguarda dos valores em causa com novas utilizações, que beneficiem as comunidades locais, atraiam novos visitantes e fixem novos residentes.

Estrutura, Gestão e Objetivos

O Fundo Revive Natureza é um instrumento de valorização do património edificado e natural e de promoção do desenvolvimento regional, através da dinamização de atividades com fins turísticos.

O Fundo é participado pelo Estado Português, representado pela Direção-Geral de Tesouro e Finanças, pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, I.P.  e pelo Turismo de Portugal, I.P..

A gestão do Fundo, assegurada pela TF Turismo Fundos – SGOIC, SA, nos termos do disposto na Portaria n.º 389/2019, de 29 de outubro, visa a concretização de políticas públicas de desenvolvimento regional e local, que promovam:

  • A criação de emprego local
  • A dinamização das economias locais
  • A contribuição para o fortalecimento sistemático das redes de oferta locais
  • A utilização de produtos locais
  • A sustentabilidade dos territórios, nas vertentes ambiental, social e económica

 

Atividade e Critérios

O Fundo realiza a sua atividade através da integração, como ativos, de direitos respeitantes a imóveis abrangidos por regimes dos domínios públicos ou privados do Estado, autarquias locais, institutos públicos ou de outras entidades.

O Fundo promove a atribuição de direitos sobre os imóveis a entidades públicas ou privadas, com vista à sua requalificação para fins turísticos ou outros com estes conexos, gerando impacto económico na localidade ou região onde se encontram.

A atribuição de direitos de exploração dos imóveis deve considerar os objetivos do Fundo e as políticas públicas de desenvolvimento regional e local, valorizando os seguintes critérios:

  • Exploração dos imóveis realizada por entidades com sede ou residência nos concelhos em que se localize o imóvel ou nos concelhos contíguos
  • Criação de empregos locais
  • Características sociais, ambientais e inovadoras para a sustentabilidade dos territórios
  • Integração em redes de oferta de produtos e experiências nos territórios onde se inserem
  • Outros aspetos que revelem impacto positivo nas localidades em que se situem os imóveis

 

Documentos

O Decreto-Lei n.º 161/2019, de 25 de outubro, estabelece os fins do fundo, tanto no que respeita aos imóveis que correspondem à afetação inicial, como no que tange com os imóveis que, por qualquer forma legalmente admissível, venham a ingressar no ativo do fundo ou por este sejam geridos. Existem, no entanto, outros documentos que definem as linhas condutoras que norteiam e limitam a atividade do Fundo, nomeadamente a Política de Investimentos do Fundo e os regulamentos associados à operacionalização da sua atividade.

Atribuição de Direitos de Exploração de Imóveis

Regulamento de Financiamento

Política de Investimento do Fundo Revive Natureza

Regulamento da Marca (a disponibilizar brevemente)

Vídeo

Os imóveis do Fundo

Veja o vídeo para conhecer alguns dos imóveis a disponibilizar após o início de atividade do Fundo.